Pressione enter para pesquisar

Cooperativa exporta feijão para árabes

Coperaguas, com matriz em Santa Catarina e unidades em Mato Grosso, destina 30% das exportações de feijão caupi para o Egito. Ela também vende para Tunísia e Emirados e espera crescer na região.

14 de Outubro de 2014 Publicada as: 11h06

São Paulo – A Cooperativa Agroindustrial Águas Frias (Coperaguas) envia cerca de 30% do feijão que exporta para o Egito, país árabe do Norte da África. Com matriz no município catarinense de Águas Frias e unidades em Campos de Júlio e Sorriso, em Mato Grosso, a cooperativa responde por 70% das exportações de feijão caupi do Brasil, segundo o responsável pela originação e processamento do feijão para exportação na Coperaguas, Paulo Henrique Ribeiro de Aguiar.

A cooperativa comercializa entre 36 mil toneladas e 48 mil toneladas de feijão caupi por ano, dos quais 50% a 70% vão para o mercado interno. O restante é exportado. A Índia é o principal comprador no mercado internacional e o Egito é o segundo, de acordo com Aguiar. O produto é embarcado ainda para outros países, como Emirados Árabes Unidos, Tunísia e Paquistão. Tunísia e Emirados, no entanto, compram volumes pouco significativos.

Aguiar conta que as exportações para os árabes ocorrem a partir de contatos em feiras internacionais. A Coperaguas participa em grandes mostras mundiais do setor de alimentação, como a Sial, que acontece em Paris, e a Anuga, na Alemanha.

O Brasil é um fornecedor novo de feijão para os árabes e por isso o aumento de compras vem ocorrendo aos poucos. “Eles deixam de comprar de fornecedores históricos e eles dependem dessa importação, então vão trocando com cautela. Mas observamos que vem aumentando”, afirma Aguiar sobre as compras dos árabes.


Ele afirma que o preço praticado é competitivo e bom tanto para quem importa o feijão quanto para quem vende. Os concorrentes do Brasil na região são China, Mianmar e Madagáscar, segundo Aguiar.

O caupi não é tipo de feijão mais apropriado para fazer caldo. Ele costuma ser consumido soltinho no Brasil, principalmente em pratos da culinária do Norte e do Nordeste do País. Nos países árabes que importam o feijão da Coperaguas, Aguiar conta que ele é consumido em grão solto, sem muito caldo, e também usado para fazer bolinho amassado manualmente.

A Coperaguas tem mais de dois mil associados, que produzem soja, milho, feijão e milho de pipoca. Eles plantam nos estados de Mato Grosso, Paraná e Santa Catarina. Em função das condições climáticas, porém, todo o feijão é cultivado em Mato Grosso. A cooperativa é presidida por Ademir Zanella.

 

Fonte: http://www.anba.com.br/noticia/21864955/agronegocio/cooperativa-exporta-feijao-para-arabes/

Voltar

Indicadores
econômicos